Excelência em desenvolvimento de pessoas

Notícias


Geral

25.05.14 Ministro Fux rejeita ação que questionava venda de artigos de conveniência em farmácias na Paraíba

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), não conheceu (rejeitou) da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4952, ajuizada pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra a Lei 7.668/2004, da Paraíba, que autoriza a comercialização de artigos de conveniência em farmácias e drogarias. A PGR alegou que a norma usurpa a competência da União para legislar sobre normas gerais de “proteção e defesa da saúde”, como estabelece o artigo 24, inciso XII, da Constituição Federal. Sustentou ainda que a competência legislativa da União nessa área já teria sido exercida de forma abrangente por meio da edição da Lei 5.991/1973, que somente permitiria às farmácias e drogarias a venda exclusiva de drogas, medicamentos, insumos e correlatos. violação constitucional da norma, a PGR citou o conflito entre o texto da Lei 5.991/1973, editada pela União, e a Lei 7.668/2004, da Paraíba. “Como se percebe, nas hipóteses constitucionalmente previstas de competência legislativa concorrente entre a União e os estados-membros – situação em que cabe àquela estabelecer normas gerais, e a estes normas suplementares –, a única situação permissiva de exame de constitucionalidade em sede de fiscalização Apontou ainda que normas da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) também proíbem o comércio de produtos de conveniência em farmácias e drogarias. O ministro Luiz Fux afirmou que, no caso, o conflito de legislação federal e legislação estadual reflete, “quando muito, violação meramente indireta (reflexa) à Constituição da República, insuscetível, precisamente por isso, de exame em sede de controle concentrado normativo abstrato de constitucionalidade, característico das ações diretas de competência desta Corte”. Segundo o relator, para justificar a normativa abstrata é aquela que configura inconstitucionalidade direta, imediata e frontal”, disse, citando precedentes do STF. Conforme o ministro Luiz Fux, a lei paraibana cuida de assunto que não está dispondo, de forma alguma, em sentido diametralmente oposto à lei federal, destacando que a norma, inclusive, regula tema autorizado pela própria legislação federal. “É incabível a ação direta de inconstitucionalidade quando a controvérsia se fundar no artigo 24 da Constituição da República, se, para o específico efeito de examinar-se a ocorrência, ou não, de invasão de competência da União, por parte de qualquer Estado-membro, torna-se necessário o confronto prévio entre diplomas normativos de caráter infraconstitucional”, frisou.

Fonte: Justiça em foco


MAIS NOTÍCIAS | Geral

03.03.16 O que o esporte ensina ao mundo corporativo?
Neste ano em que teremos as Olimpíadas em nosso país, fica praticamente impossível não observar à determinaç...
01.03.16 Economistas acreditam em contínua deterioração no mercado de trabalho
O corte de 99.694 empregos em janeiro, segundo números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), apesar de ter vindo abaixo das ...
25.07.15 Uma das melhores palestras motivacionais do Brasil em Ponta Grossa
  Gilclér Regina é um dos palestrantes mais requisitados para eventos motivacionais, convenções de vendas, entre ou...
15.07.15 Região do Campos Gerais tem centenas de vagas do Pronatec
A região dos Campos Gerais, no Paraná, tem centenas de vagas para cursos técnicos oferecidas pelo Programa Nacional de Acesso ao ...

Patrocinadores


Apoio


 


Excelência em desenvolvimento de pessoas

Av. General Carlos Cavalcanti, 1288
Uvaranas - Ponta Grossa - Pr
Fone [42] 3301-7568
contato@emprefar.com.br

Desenvolvido por Espécie Soluções WEB